O QUE É CURA INTERIOR?

Cura interior é a cura de nosso homem inte¬rior: da mente, emoções, lembranças desagradá¬veis, sonhos. É o processo pelo qual, por meio da oração, somos libertos de sentimentos de ressen¬timento, rejeição, autopiedade, depressão, cul¬pa, medo, tristeza, ódio, complexo de inferiorida¬de, autocondenação e senso de desvalor, etc. Em Romanos 12.2, lemos o seguinte: "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente..." A cura inte¬rior é a renovação de nossa mente.
Jesus disse o seguinte: "Eu estou deixando-lhes uma dádiva — paz de espírito e de coração! E a paz que eu dou não é frágil como a paz que o mundo dá. Portanto não se aflijam nem tenham medo." (Jo 14.27 — NIV.) Mas há inúmeras pes¬soas, hoje, que não possuem essa paz interior. E muitas delas são crentes cheios do Espírito Santo, que, apesar de tudo, acham-se emocionalmente enfermas, embora estejam em boas condições físicas. Jesus deseja que sejamos sãos em todo o nosso ser. Em Isaías 53.5, vemos como a Bíblia prediz a obra de Jesus: "...ele foi traspassado pela nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados." Ele quer salvar-nos de nossos pecados — a cura espiritual; quer que tenhamos paz — a cura interior; quer que fiquemos livres de dores e doenças — cura física. Ele quer que todo o nosso ser seja perfeito!
Para que haja a cura interior são necessários dois passos.
(1) Romper o domínio de Satanás sobre nós e tomar posse do que é nosso por direito.
(2) Orar pela cura das lembranças passadas.
Gosto de pensar neste primeiro passo como sendo uma "cirurgia espiritual", em que Jesus cura todos os tumores que estão "crescendo" em nosso interior — medo, ódio, ira, ciúme, autopiedade, etc. Depois, então, pela oração de cura das lembranças guardadas em nossa mente, Jesus penetra em nosso passado e cura todas as má¬goas. Ele toma de um apagador espiritual, e desmancha todas as recordações dolorosas. Tal¬vez ele não apague totalmente a lembrança delas, mas remove a dor e o aguilhão. Ele como que anestesia a dor e a ferida profunda. Depois ele unge com o óleo do Espírito Santo, e cura os locais onde havia a ferida. Ele nos purifica e nos dá sua paz. O texto de Colossenses 2.11-15 des¬creve maravilhosamente essa cirurgia espiritual:

"Nele também fostes circuncidados, não por in-termédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados com ele juntamente no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos. E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões, e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancela¬do o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudi¬cial, removeu-o inteiramente encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triun¬fando deles na cruz."

Jesus é a única pessoa que pode sarar os males de nossas lembranças e dores, e ele o fará, por meio da cura interior,
1. se quisermos ser libertos do domínio de Satanás;
2. se quisermos que nossa mente seja curada;
3. se quisermos ficar integralmente sãos;
4. se quisermos permanecer sãos. "Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre." (Hb 13.8.) O tempo e o espaço não significam nada. Ele pode voltar ao nosso passa¬do e tocar aqueles pontos em que fomos feridos. Ele quer que lhe entreguemos nosso passado. O verso de Filipenses 3.13 nos diz para esquecer¬mos o passado, e olharmos para adiante, para o que está à nossa frente.
Algumas pessoas parecem gostar de viver no passado, repassando e revivendo sofrimentos an¬tigos, sofrendo como mártires. A essas pessoas Jesus não cura. Mas, se realmente quisermos ser integralmente curados, se quisermos essa paz in¬terior, ele pode concedê-la a nós, e no-la concede¬rá. Lemos em Colossenses 1.13-14 o seguinte: "Ele nos libertou do império das trevas e nos transpor¬tou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados."
A operação da cura interior não é apenas voltar ao passado e desenterrar de lá os detalhes mais sórdidos. Não é procurar ver qual a quanti¬dade de lixo de que nos lembramos; mas é jogar fora todo o lixo que ali encontrarmos. É deixar que Jesus faça brilhar sua luz divina em todos os recantos escuros onde Satanás escondeu as má-goas e lembranças dolorosas. É andar de mãos dadas com Jesus, em todos os segundos de nossa vida, e deixar que ele fique bem ali conosco durante as situações desagradáveis.
Muitas vezes pensamos: "longe da vista, longe da lembrança", com relação a essas recordações indesejáveis. Mas este raciocínio é semelhante ao ato de ir-se acumulando objetos dentro de um armário. Depois que fechamos a porta, não ve¬mos o amontoado, mas se continuarmos a colocar coisas ali, chegará um momento em que elas rolarão para fora. Esse mesmo princípio se aplica à nossa mente. Vamos empilhando na mente toda sorte de "lixo" (medos, ressentimentos, culpa), pensando que essas coisas não vão incomodar-nos, mas elas ficam lá, no fundo de nosso sub-consciente, e sem dúvida alguma irão afetar nossas emoções e influenciar o modo como agimos e reagimos. A raiva reprimida, os ressentimentos ou o medo às vezes se manifestam nos momentos em que menos esperamos.
Quantos de nós passam a vida toda num dilema: "Se ao menos..."; ou então: "E se..." Alguém já afirmou que deveríamos retirar de nosso vocabulário duas palavras: "nunca" e "sempre". "Nunca faço nada certo." "Estou sem¬pre errando." "Nunca faço assim ou assado." "Você sempre faz assim e assado." A Bíblia nos promete que podemos ser libertos das caracterís¬ticas negativas de nossa personalidade.
As pessoas frustradas e temerosas estão sem¬pre ingerindo enormes quantidades de bebida, tranqüilizantes e soníferos, na tentativa de apa¬gar as tristes lembranças do passado e do pre¬sente. Gasta-se muito dinheiro com médicos, psi¬cólogos e psiquiatras. Quero dizer aqui que dou graças a Deus pelos médicos e enfermeiros cren¬tes. Lucas era médico, e foi inspirado pelo Espíri¬to Santo para escrever a história de Jesus. Foi Deus quem criou os remédios e deu ao homem a inteligência e a capacidade de fazer uso deles, mas a bênção máxima de Deus para nós é a cura divina. Os médicos tratam dos doentes, mas é Jesus quem os cura. Na maioria dos casos, a ciência médica trata dos sintomas; Jesus quer curar a causa das enfermidades. Os médicos e psiquiatras crentes confiam no Senhor, e louvamos a Deus pela existência deles. A cura interior é psicoterapia mais a operação de Deus.
Jesus é o maior dos médicos — o maior psiquiatra que pode haver. Somente ele pode curar-nos integralmente. Ele deseja sarar nossas tristezas e mágoas. Onde havia confusão de espí¬rito, ele quer introduzir serenidade. Onde houve medo, ele está ansioso para conceder-nos uma mente sã — libertar-nos do medo. Ele quer resta¬belecer relacionamentos destruídos; quer reer¬guer casamentos desmoronados. Quer que seja¬mos capazes de nos relacionarmos uns com os outros de maneira positiva e construtiva. Quer que sejamos capazes de amar os outros do modo como gostaríamos de ser amados; e perdoar da forma como devemos perdoar. Ele quer que seja¬mos aquele indivíduo que ele tinha em mente quando nos criou.
Se fôssemos descrever os resultados da cura interior com apenas uma palavra, essa palavra seria paz. Lembremos algumas personalidades da Bíblia que tiveram problemas graves, mas depois receberam essa paz interior. Quando pen¬samos em Saulo de Tarso e em todos os cristãos que ele matou antes de tornar-se crente, podemos imaginar o senso de culpa e remorso que ele deve ter sentido. Mas Deus o perdoou, encheu seu coração de paz interior, e ele acabou se tornando um gigante espiritual — um grande apóstolo.
Consideremos a mulher apanhada em adulté¬rio. Sem dúvida alguma ela deve ter sentido muita vergonha e autocondenação, mas Jesus lhe disse: "...Nem eu tão pouco te condeno; vai, e não peques mais." (Jo 8.11.) E Davi não apenas come¬teu adultério, mas também mandou que o marido de Bate-Seba fosse morto. O filho recém-nascido, ilegítimo, morreu. Na certa, Davi deve ter-se sentido sobrecarregado de lembranças doloro¬sas. Contudo, o Senhor concedeu-lhe a cura interior, e ele se tornou um homem segundo o coração de Deus. Ele escreveu o seguinte no Salmo 16.9: "Alegra-se, pois, o meu coração, e o meu espírito exulta; até o meu corpo repousará seguro." Davi havia alcançado genuína alegria de coração e espírito, o que vale dizer, alcançara também paz mental.
Pedro sentiu vergonha também, por haver negado a Cristo, mas recebeu o perdão e a paz, e tornou-se uma pessoa tão bem ajustada, que Jesus o chamou de "pedra".
O Senhor deseja dar-nos essa mesma paz interior, por meio da cura interior. A Bíblia nos promete isso em Filipenses 4.7: "E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus."
Lemos em Isaías 26.3 o seguinte: "Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósi¬to é firme; porque ele confia em ti."
E Efésios 2.14 afirma: "Porque ele é a nossa paz...
Graças, Senhor Jesus, pela tua paz.
Graças, Senhor Jesus, pela cura interior.